Na década de 1980 já iniciavam algumas ações de tratamento dos acervos a exemplo da implementação das atividades de microfilmagem dos registros acadêmicos, discussão essa registrada na Ata n° 027/83 do Conselho Departamental (CODEP). Naquela época a Biblioteca Central foi à responsável pela estruturação, organização e manutenção de um projeto de organização de um arquivo, chamado de Arquivo Retrospectivo, responsável pela gestão do acervo da FURG. O Arquivo Retrospectivo foi criado em 1983, através do ato executivo n° 005/83, de 08 de abril, com características de arquivo intermediário e permanente, e recebiam dos setores da universidade documentos que geraram normas para a administração da instituição, documentos relativos às mudanças na estrutura da instituição ou do seu quadro de servidores, a passagem do aluno pela instituição, as atas de presença das provas, cadernos de registro de frequência, dentre outros documentos. A principal função deste arquivo era propiciar a transferência, o recolhimento e a custódia da documentação, especialmente o de valor de guarda permanente”, mas, por falta de profissionais especializados e infraestrutura adequada não foi possível a continuidade das suas atividades.

   Nesse ano foi criada pelo reitor e presidente do Conselho Departamental - CODEP, Prof. Fernando Lopes Pedone, a “Norma para Arquivamento de Documento” institucionalizando, a partir da Resolução n° 030, de 29 de agosto de 1983, as diretrizes e normativas de arquivamento de documentos, orientando a transferência, recolhimento para o Arquivo Retrospectivo, o tratamento, os prazos de guarda e eliminação. Paralelo a definição das normas de arquivamento de documentos, existia também um projeto para a instalação de microfilmagem na instituição. A proposta previa serviços micrográficos tanto para atender às demandas da universidade como também, em longo prazo, atender as necessidades de usuários externos. A política visava a descentralização, dando autonomia à unidade usuária onde essa seria suprida com arquivos micrográficos e equipamentos para que pudesse acessar às informações. O setor de microfilmagem seria o responsável direto pelo desenvolvimento de projetos micrográficos, guarda dos filmes originais e manutenção de seus equipamentos bem como prover a capacitação dos servidores.

   Em 1985, considerando as semelhanças entre o processamento de dados e a microfilmagem quanto ao tratamento e disponibilização da informação, foi aconselhado que o setor de microfilmagem estivesse ligado ao Núcleo de Processamento de Dados (NPD), cabendo a ele as atividades de preparação de documentos, microfilmagem, processamento, controle de qualidade e montagem da microforma final. Com o ato executivo nº 028/85 de 10 de julho, o NPD é extinto bem como todos os setores que o compõem e cria junto ao Gabinete do Reitor, o Centro de Processamento de Dados (CPD) com a criação do setor de Divisão de Microfilmagem (Setor de Preparação, Execução e Controle e Setor de Arquivo).

   Entretanto, com a oficialização do ato executivo n° 058/91, de 21 de novembro, é definido a nova estrutura organizacional da FURG com a adequação da nomenclatura que identifica o nível de Cargo de Direção ou de Função Gratificada e o Arquivo Retrospectivo é extinto do organograma do CPD.
No ano de 2005 é criada a Comissão Permanente de Gestão de Arquivos da FURG através da portaria n° 1.337/05, de 24 de agosto, que tinha como atribuição principal propor a criação e a estruturação do Arquivo Central da Universidade.

   Embora verifica-se uma série de iniciativas e esforços em nível estratégico e operacional quanto ao estabelecimento das diretrizes de gestão documental e o emprego de recursos tecnológicos para a difusão das informações, fica claro que essas políticas não tiveram força suficiente para garantir a eficácia do processo de gestão dos acervos da FURG. Fato esse que fica mais evidente quando da contratação nos anos de 2008 e 2009 das primeiras arquivistas, responsáveis pela organização dos dossiês acadêmicos e do Arquivo Retrospectivo, onde a documentação estava armazenada em um contêiner e cujas condições de conservação eram extremamente precárias. Em 2008 a Comissão Permanente de Gestão de Arquivos da FURG, sua composição e atribuições foram modificadas primeiramente pela Portaria n° 112/08, de 29 de janeiro e, recentemente pela Portaria 1285/15, tendo como foco principal o papel de atualizar a legislação arquivística interna da Universidade, em conformidade com o disposto pela legislação federal (CONARQ e SIGA-MEC).

   Todo esse movimento em torno da gestão documental da FURG foi fortalecido pela progressiva expansão da Universidade Federal do Rio Grande, impulsionado pelo Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI) que culminou, dentre outras ações relevantes, com a criação do curso de Arquivologia no ano de 2008 e a contratação de docentes e de arquivistas para compor o quadro de servidores da instituição. Em 2009, extingue-se a Comissão instituída em 2008 e cria-se uma nova Comissão Permanente de Avaliação de Documentos da FURG (CPAD/FURG) por meio da Portaria da PROPLAD n° 2.715/09 de 12 de novembro. Nessa portaria, no seu Art. 3º ficam definidas as atribuições e responsabilidades da Comissão, devendo: orientar e realizar o processo de análise, avaliação e seleção da documentação produzida e acumulada no âmbito da FURG, tendo em vista a identificação dos documentos para guarda permanente e a eliminação dos destituídos de valor secundário, assim como também, o encaminhamento das propostas resultantes do processo de avaliação documental na instituição para o Conselho Nacional de Arquivos – CONARQ, conforme a Legislação Federal.

   Tal iniciativa constitui-se em incentivo para o desenvolvimento de políticas com o propósito de estruturar e implantar um sistema de arquivos e gestão documental alinhado com a política nacional de arquivos, alicerçado nas teorias, princípios e métodos arquivísticos, mesmo antes da oficialização da Coordenação do Arquivo Geral da FURG, enquanto órgão da Universidade, que aconteceu em 2010, com a publicação da Portaria nº. 2.109 do Gabinete do Reitor.